[ / / / / / / / / / / / / / ] [ dir / 4am / ashleyj / baphomet / dempart / doomer / leftpol / mde / vtest ]

/27chan/ - 27chan

A união faz o meu pinto crescer

Catálogo

Winner of the 68rd Attention-Hungry Games
/d/ - Home of Headswap and Detachable Girl Threads

January 2019 - 8chan Transparency Report
Nome
E-mail
Assunto
Comentário *
Arquivo
Senha (Randomized for file and post deletion; you may also set your own.)
* = obrigatório[▶ Opções e restrições de postagem]
Confused? See the FAQ.
Inserir
(substitui os arquivos e pode ser usado no lugar deles)
Opções

Tipos de arquivos permitidos: jpg, jpeg, gif, png, webm, mp4
O tamanho máximo da imagem é de 16 MB.
As dimensões máximas da imagem são de 15000 x 15000.
É possível fazer o upload de 5 arquivos por postagem.


repórtein u cansêr!!!11onzi

File: fbcdcfe8de8c732⋯.jpg (108,25 KB, 1198x720, 599:360, alckmin-bolso-1.jpg)

 No.2179[Responder]

Nesses tempos de eleição tem-se que tomar muito cuidado com as ratoeiras colocadas pela equipe de marqueteiros contratados e muito bem pagos pelo PSDB.

#picolé de chuchuSim: Manifesto contra bostanazi faz parte da fraude eleitoral

No último domingo (23) foi lançado um manifesto intitulado Pela Democracia, pelo Brasil – ou DemocraciaSim, assinado por “artistas, advogados, ativistas e empresários”, contra a candidatura à Presidência da República de Jair bostanazi (PSL) e Hamilton boiolão (PRTB). O movimento surgiu na esteira daquele iniciado pelas Mulheres unidas contra bostanazi no Facebook, com 2 milhões de participantes e as hashtag #EleNão / #EleNunca, e alavancado pela imprensa golpista brasileira e internacional. Principal órgão de divulgação do pensamento neoliberal, a revista inglesa The Economist chegou a lançar uma edição em que estampava em sua capa uma foto de bostanazi com a manchete: bostanazi presidente: a última ameaça da América Latina. Personalidades como a apresentadora direitista Raquel Sheherazade, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton também se manifestaram contra a candidatura dos militares.

A defesa é da “democracia”, como se esta fosse um valor abstrato, como se não fosse fruto de uma contínua luta dos trabalhadores direitos mínimos frente ao poder do imperialismo e das burguesias nacionais. Tais valores, cultivados tanto pela classe dominante quanto por amplos campos da própria esquerda, nada mais fazem que escamotear a luta diária de vida ou morte entre as classes sociais pelo poder. Numa fantasia idealista, acreditam que as eleições burguesas seriam o ideal de participação popular. O voto na urna, forjado por campanhas publicitárias milionárias e por currais eleitorais que concedem favores paroquiais, se sobreporia como valor à organização da classe trabalhadora e à elevação de sua consciência.

Cinicamente, apoiadores do golpe de Estado que financiaram e promoveram o impeachment ilegal de Dilma Rousseff em 2016 e a prisão de Lula em 2018 se dizem a favor da suposta “democracia”. Não é diferente no caso do movimento DemocraciaSim.

A postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

 No.2180

(cont.)

Evidentemente, não se pode atribuir a esse movimento senão um propósito golpista. No caso específico, pela intensidade e pelo momento eleitoral em que ocorreu, parece claro que o objetivo é alavancar as candidaturas dos verdadeiros direitistas, das candidaturas de confiança do imperialismo, como a de Geraldo picolé de chuchu (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) – ainda por serem devidamente apoiados pelos minoritários Álvaro Dias (Podemos), João Amoedo (Novo/Itaú) ou mesmo Henrique Meirelles (MDB). O movimento é claramente DireitaSim e, mais ainda, picolé de chuchuSim.

O eleitorado de bostanazi é composto pelos grupos mais acentuadamente antipetistas, a um nível quase macartista. Embora elementos jamais votarão em Fernando Haddad (PT) e sua vice Manuela D’Ávila (PCdoB). O que se objetiva é capturar os votos de indecisos e nulos por um lado (18%), e os votos de bolsonaristas (28%), pelo “voto útil” contra o Partido dos Trabalhadores, e não contra o fascismo. O discurso “pela Democracia” é na verdade contra a polarização entre Haddad e bostanazi no segundo turno, servindo ainda à alavancagem da candidatura de Ciro Gomes, que ganharia mais potencial para dividir os votos do PT.

Os golpistas tiraram uma presidenta legitimamente eleita do poder; prenderam Luiz Inácio Lula da Silva; lançaram o mais feroz ataque à classe trabalhadora em décadas, com extinção de direitos trabalhistas; entregam irrestritamente o patrimônio nacional ao estrangeiro; destroem os programas sociais, a saúde e a educação públicas; desmontam a máquina estatal. Mas isso é apenas o início do plano de terra arrasada do imperialismo para toda América Latina. Eles só conseguirão aprofundar esses ataques por meio de uma eleição fraudulenta que legitime o governo golpista.

Os golpistas têm controle dos Três Poderes da República – com direito a generais tutelando as autoridades –, dominam a imprensa, as rádios e a televisão. A burguesia domina plenamente o jogo eleitoral, e qualquer movimento com sua franca participação é movido pela luta de classes, e não por valores abstratos como “a Democracia”. Qualquer movimento comandado pela burguesia serve exclusivamente a esses propósitos – assim coA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: d17c0fd26e7838e⋯.jpg (54,96 KB, 1024x585, 1024:585, ciro_gomes_roda_viva-1024x….jpg)

 No.2154[Responder]

O Ciro "Dá bilhão?" Gomes às vezes deixa escapar a sua verdadeira face.

Ciro mostra bico de tucano e acusa Lula de ser corrupto

O vale tudo na reta final das eleições mais fraudulentas de todos os tempos vem se intensificando dramaticamente. A direita e seus representantes, totalmente desmoralizados e com altas taxas de rejeição da população, protagonizam cenas do mais completo desespero, buscando algum bote salva-vidas que lhes garanta um oxigênio adicional diante do iminente naufrágio de suas candidaturas.

Uma das retóricas mais agressivas no espetáculo circense eleitoral vem sendo verbalizada pelo candidato do PDT, o camaleão Ciro Gomes, que, sabe-se lá porque – ou por razões que só ele mesmo poderia explicar – se apresenta ao pleito como candidato de “centro-esquerda”. Se houvesse um mínimo de seriedade e rigor nesta verdadeira torre de babel em que as eleições foram transformadas pelas instituições golpistas, Ciro Gomes deveria ser processado por estelionato político-ideológico, pois seu programa e seu plano de governo estão há anos luz de distância de um governo que se pretenda de centro-esquerda. A candidatura de Ciro Gomes é, neste sentido, mais uma farsa grotesca, somando-se ao conjunto das outras que buscam se legitimar diante das ilegalidades, abusos e arbitrariedades impostas pelo judiciário golpista aos partidos e candidatos.

Com a aproximação do momento mais crucial e decisivo do pleito, Ciro Gomes vem intensificando seus ataques contra o candidato que julga ser o seu principal concorrente, o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad, candidato substituto do ex-presidente Lula. Haddad, por ter sido homologado como o substituto do ex-presidente vem colhendo os benefícios da transferência de parte dos votos de Lula, o que levou a que – em algumas pesquisas – apareça na frente do candidato “falastrão de centro-esquerda”, assumindo a segunda posição.

Isso parece ter despertado a ira do “nordestino cabra macho” do PDT, que decidiu partir para o tudo ou nada e passou a atacar também o governo do ex-presidente Lula, com acusações ao melhor estilo dos tucanos e da famigerada e persecutória ‘Lava JatA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

1 postagem e 1 resposta com imagem omitidas. Clique em Responder para visualizar.

 No.2178

File: dd63c1be37af797⋯.jpg (82,77 KB, 1024x585, 1024:585, ciro-katia-abreu-1-1024x64….jpg)

Aqui o ditado "Diga-me com quem andas e te direi quem és" nunca fez tanto sentido.

Ciro Gomes escolhe a latifundiária Kátia Abreu como vice e culpa o PT

Da redação – Ciro Gomes (PDT) insiste em se vender como candidato de esquerda, e, nesta segunda-feira, dia 24, em eventos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, ele tornou a fazer discursos contra o PT e seus candidatos, além de afirmar que a falta de autocrítica e de união da esquerda pode levar a “pior direita” a vencer as eleições deste ano, o que acabará “arrebentando” com a nação brasileira.

Embora se considere um progressista, o presidenciável acha que seus principais concorrentes, o petista Fernando Haddad (PT) e o fascista Jair bostanazi (PSL), estão polarizando o país, o que, a seu ver, seria ruim do ponto de vista tanto político como econômico, mas ele não diz que essas duas candidaturas estão contribuindo para acirrar a luta de classes na sociedade e este conflito, na realidade, é justamente a grande arma que pode ser utilizada pela classe trabalhadora para alcançar seus objetivos como classe social de luta contra a burguesia. As eleições não resolvem os problemas de forma definitiva e servem, geralmente, para garantir cargos a políticos carreiristas, como Ciro Gomes.

Neste contexto, é possível notar que o pedetista repete o discurso manipulador da direita e da imprensa golpista, no sentido de que o PT é uma instituição corrupta, guiada “por um micro projeto de poder”, e que apenas teria se beneficiado da onda econômica mundial, antes da crise de 2010, para se promover. Usando da mesma tática dos candidatos neoliberais, ele também defende que o PT e PSDB são partidos parecidos e que é necessário que o povo escolha “novos” rumos para o país, votando nele, obviamente.

Apesar de toda esta conversa, Ciro tem como vice a senadora Kátia Abreu, uma das maiores representantes dos grandes latifundiários e da burguesia retrógrada do país, afastando qualquer dúvida de que ele seria um progressista, como diz por aí.

E o pior, diante das críticas sobre Kátia Abreu, o abutre disse que tal escolhA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: 6e56f88b2ac3e4c⋯.jpg (199,34 KB, 1024x585, 1024:585, argentina-2-1024x683-1024x….jpg)

 No.2177[Responder]

It's happening!

Espero que tenha uma aqui no brbr também, pois está mais que precisando.

Greve geral na Argentina: trabalhadores param o país contra Macri

O segundo país mais importante da América do Sul, literalmente parou nesta terça-feira, dia 25 de setembro. A Argentina amanheceu com uma vigorosa greve geral onde a quase totalidade de seus serviços, bancos, repartições públicas, comércios, postos de gasolina, escolas, universidades, trens, metrôs, portos e aeroportos não funcionaram. É a quarta greve geral contra a política econômica do governo burguês-neoliberal e entreguista do presidente Mauricio Macri, convocada pela principal central sindical do país, a CGT.

A greve geral desta terça-feira e todos os grandes protestos anteriores levados adiante pelos trabalhadores é o resultado da reação dos explorados portenhos ao profundo ataque do grande capital e do imperialismo às condições de vida das massas, que praticamente recolonizou a Argentina depois do golpe “democrático-eleitoral” que derrotou o governo da ex-presidente Cristina Kirchner, neste momento acusada e perseguida pelos tribunais golpistas do país vizinho.

O receituário neoliberal imposto ao pais pela banca internacional esfacelou a economia do país, impondo um enorme retrocesso na produção, com aumento da inflação e disparada do dólar. As medidas de destruição da economia argentina afetaram não só a produção do país, mas atingiram em cheio quase todos os segmentos sociais da nação, particularmente os setores mais vulneráveis, as massas exploradas e pauperizadas do país vizinho.

Vale recordar que no início do século, entre os anos 2000 e 2001, a Argentina foi sacudida por violentos protestos contra as mesmas medidas que neste momento estão sendo implementadas pelo governo Macri. Naquela ocasião – também a soldo do Fundo Monetário Internacional (FMI) – o governo de Fernando de la Rúa impôs um conjunto de medidas que atacavam frontalmente os trabalhadores. A reação das massas foi imediata e enérgica e os gigantescos protestos acabaram precipitando a queda do presidente, que renunciou em dezembroA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: 500fc3c9f8b2e20⋯.jpg (56,31 KB, 1024x585, 1024:585, mourão-1024x683-1024x585.jpg)

 No.2155[Responder]

boiolão, o espantalho 2.0?

No começo desta semana foi publicada uma pesquisa eleitoral da CNT/MDA, na qual o candidato fascista Jair bostanazi (PSL) apareceu em primeiro lugar, com 28,2% das intenções de voto. Em segundo, Fernando Haddad (PT) chegou a 17,6% e o candidato abutre Ciro Gomes (PDT) ficou com 10,8%, na terceira posição.

A imprensa golpista, ao contrário do que em outras ocasiões, parece estar muito tranquila, mesmo com um candidato do PT chegando agora na vice-liderança da pesquisa. Os comentaristas da imprensa burguesa sinalizam a importância do chamado “voto útil”, ainda mais em um cenário que pode ser de polarização entre a esquerda, representada por Haddad, e a extrema-direita, representada por bostanazi.

Neste caso, ainda que as pesquisas sejam em certa medida manipuladas e não representem a realidade, teríamos um segundo turno entre o PT, cuja direita histérica e a burguesia não querem de jeito nenhum, e o fascista bostanazi – ou pior, o general boiolão –, cuja maioria da população despreza completamente.

Como foi discutido em artigo recente deste diário (>>2146), o que teríamos seriam dois espantalhos: um da esquerda, em que parte da esquerda votará mas não tem apoio das ordas de direita e da burguesia, e outro da extrema-direita, em que tanto a população como as organizações de esquerda não votariam de forma alguma, especialmente no segundo turno.

Percebe-se, pela análise da imprensa burguesa, que bostanazi/boiolão não é o candidato da burguesia e do imperialismo – embora estes dois personagens façam de tudo para tentar ganhar a confiança dos burgueses e imperialistas, incluindo a venda do País. Um exemplo disso são as declarações de boiolão, que não esconde (pelo contrário, propagada por todos os cantos) seu ponto de vista reacionário, o que não seria de agrado da burguesia, cuja imprensa trata de demonstrar o caráter tresloucado de suas palavras.

boiolão, muito pior do que bostanazi – um troglodita completamente solto, atirando com balas de canhão contra todos os consensos impostos pela burguesia, atacando brutalmenA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

2 postagens e 2 respostas com imagem omitidas. Clique em Responder para visualizar.

 No.2175

File: aa5799a00b86042⋯.jpg (65,9 KB, 1024x585, 1024:585, Mourão-1024x683-1024x585.jpg)

Até os outros milicos tiveram que reconhecer que ele estava falando merda demais em plena campanha eleitoral.

Exército contra bostanazi: mandaram boiolão ficar quieto

O alto escalão militar pede para o candidato a vice-presidente na chapa de Jair bostanazi (PSL) se controlar. Na segunda-feira (17), o telefone do general da reserva Antônio Hamilton boiolão (PRTB) tocou de forma iterada. Após sucessivas entrevistas expondo seu caráter fascista, o general foi obrigado a pisar no freio. Seus colegas de farda deram o alerta que o mesmo estava falando além da conta.

Não demorou muito, depois de dizer a um público de empresários que famílias lideradas por mães e avós são “fábricas de desajustados” e, chamar os parceiros comerciais do Brasil no Hemisfério Sul de “mulambada”, os amigos de farda do fanfarrão o chamaram a atenção. Além da sequência verborrágica – típica dos filisteus fardados, outro fator foi levado em conta; as declarações acerca da lisura do resultado das eleições. boiolão e bostanazi, já semeiam um possível golpe, caso não triunfem nas eleições. Os dois já se posicionam a favor da criação de uma nova Constituição – a qual não teria a participação do povo, e postulam sobre um Supremo Tribunal Federal (STF) com 21 ministros.

Vale lembrar que na véspera do julgamento de um pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula no STF, o general Villas Bôas colocou em sua conta do Twitter que as Forças Armadas estavam “atentas” ao cumprimento de “missões institucionais”. Atualmente dois oficiais de alta patente já fortificam o aparelho do Estado: o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência já tem um Ministro-Chefe, assim como o presidente do STF tem seu assessor. Inclusive, Azevedo e Silva, assessor especial de Toffoli, é integrante de um grupo que dá suporte à chapa bostanazi e boiolão. Ademais, o grupo frequentado pelo assessor especial de Toffoli é capitaneado pelo general reformado Augusto Heleno, um dos militares mais próximos a bostanazi, além de corroborar com as asneiras proferidas por boiolão. Fica claro, desde então, que os militares funcionam como uma escolta armada às ações do golpismo encabeçado por conde drácula (MDB) e, seguirão dando coberturA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

Última edição em



File: 287820a353997aa⋯.jpg (57,76 KB, 1024x585, 1024:585, moro-ebc-1024x758-1024x585.jpg)

 No.2165[Responder]

Juizeco de 2ª instância da cidade da puta que pariu admite o que todo mundo já sabe (menos os coxinhas reaças que só assistem a Globosta):

Moro confessa: “não há prova” contra Lula

Da Redação – O juiz da 13º Vara da Justiça Federal de Curitiba, Sérgio Moro, também conhecido popularmente como “Mussolini de Maringá”, reafirmou novamente em despacho emitido nesta terça-feira (19), que mantém o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva encarcerado na Superintendência da Polícia Federal, desde 7 de abril, na capital paranaense, por conta do processo pelo “Triplex do Guarujá”, mesmo sem provas.

No despacho, Moro diz não haver provas, embora insista na tese de que a suposta vantagem indevida teria sido resultado de corrupção. Moro diz: “Não há prova de que os recursos obtidos pela OAS com o contrato com a Petrobrás foram especificamente utilizados para pagamento ao Presidente. Mas isso não altera o fato provado naqueles autos de que a vantagem indevida foi resultado de acerto de corrupção em contratos da Petrobrás”.

Na verdade, não há provas que sustentem nenhuma condenação e processo contra Lula. Os golpistas sabem disso. A função de Moro é justamente esta: treinado pelo imperialismo, como mostrado em documentos vazados pela Wikileaks, o juiz foi colocado como um dos principais agentes do golpismo com a grande missão de prender Lula, custe o que custar.

A manifestação do juiz paranaense vem para reforçar o caráter político da prisão de Lula, preso há 166 dias em Curitiba. Não há lei e nem instituição capaz de reverter o processo de perseguição implacável promovido pela Justiça contra os direitos de Lula e de milhões de brasileiros que gostariam de votar no ex-presidente. Apenas uma mobilização das massas, com trabalhadores, estudantes e movimentos operários e sociais pode derrotar o golpe, que instituiu um regime inconstitucional e prendeu Lula para que este não concorra nas eleições e para entregar todos os recursos do País ao imperialismo, reprimindo todas as classes populares e organizações de esquerda.



File: 78d28619397ac58⋯.jpg (40,67 KB, 528x630, 88:105, boçalnaro-2-528x630.jpg)

 No.2171[Responder]

Esses boletins da Crítica da Economia são muito bons.

Tive que dividir em várias partes porque o boletim é extenso.

Situação Política Brasileira

por Jorge Arnaldo e José Martins, da redação.

Afinal, o que pensam os capitalistas e demais classes proprietárias da atual situação política do maior país ao sul do equador e o que planejam para o seu futuro? Nesta última semana, eles abriram um pouco mais o jogo e deram algumas pistas a respeito. Analisando-as mais de perto, todos os sensatos cidadãos brasileiros poderão agora votar com mais fundamentos nas próximas eleições de outubro

Do exterior, uma didática matéria de capa da revista inglesa The Economist. Do interior, direto da Avenida Paulista, uma bombástica entrevista do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (FHC), principal ideólogo da protoburguesia nacional. Além de outras figurinhas carimbadas do mercado.

Houve inúmeras manifestações sobre o futuro da democracia no Brasil, mas sem grandes diferenças. Primeira constatação: essas avaliações políticas dos capitalistas de fora e de dentro coincidem milimetricamente. Na forma e no conteúdo. Uma verdadeira internacional do capital sem fronteiras. Se o Estado sempre é nacional, o capital é crescentemente internacional.

A The Economist trata Jair Messias Boçalnaro – forte candidato da rica classe média branca e da lumpen-burguesia a presidente da República nas próximas eleições gerais de Outubro – como a mais recente ameaça para a América Latina.

Considera que um eventual governo Boçalnaro seria “desastroso” para o Brasil e toda a região. Acabou a semana sendo chamada pelos fervorosos adeptos da velha ditadura militar de “The Comunist”.

Para a “The Comunist”, alias, The Economist, o pano de fundo dos perigosos descaminhos da política no Brasil é a desastrosa situação econômica e social do país. As condições materiais na frente do processo. É um método correto de se analisar a polítA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

1 postagem omitidas. Clique em Responder para visualizar.

 No.2173

(cont.)

A primeira derrota é material. Determinante. A política econômica do imperialismo (tanto de Dilma Rousseff, quanto de conde drácula) não conseguiu retirar a economia brasileira da estagnação. Nem vai conseguir. A situação só tende a agravar na medida em que a política fiscal de ajuste revela seus efeitos nefastos reais. Qualquer novo governo saído destas eleições será varrido pelo processo.

A economia subordina a política. Com essa flagrante impotência da sua política econômica todos esses ideólogos das mais diferentes instituições, aparelhos de inteligência, grande mídia, etc., estão mais assustados do que nunca. A sua receita de reformas fiscais e ajustes é um fracasso. Não funciona. Nem vai funcionar.

A Argentina está mostrando. A aplicação das mesmas “reformas” salvadoras da pátria por um presidente tão confiável e “sensato” quanto Maurício Macri, totalmente apoiado por Washington (politicamente), pelo FMI (economicamente) e pelos militares internamente, não foi capaz de evitar uma repentina depressão econômica na terceira maior economia da América Latina.

Uma depressão econômica é coisa muito mais grave que uma estagnação. Esse é quadro que se espera também para a primeira economia da América Latina. Como antigamente (lembram do “Efeito Orloff”?) a Argentina está novamente dizendo para o Brasil: eu sou você amanhã!

O povo argentino não sai mais das ruas para exigir ao mesmo tempo o fim deste criminoso ajuste do FMI e também a renúncia do incompetente Macri para resolver os problemas nacionais. Nesta semana haverá uma grande greve nacional. Estaremos acompanhando.

O tempo encurta para as classes dominantes brasileiras. Por enquanto, as atenções são desviadas para as ilusões de claríssima uma farsa eleitoral que, logo que se apagarem, serão substituídas por embates materiais mais decisivos. Macri é o futuro de todos os candidatos em condições de ganhar as eleições brasileiras.

Surge então a segunda derrota para a governabilidade neoliberal na América Latina. Uma grave derrota política. A perda do discA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: cb25221a7960b64⋯.jpg (69 KB, 1024x585, 1024:585, alckmin-bolso-1024x753-102….jpg)

 No.2167[Responder]

Por mais que o Bostanazi seja uma figura desprezível, o pior no final das contas é, ironicamente, o Picolé de chuchu, justamente porque ele é o candidato preferido da elite burguesa; isto é, ele teria mais facilidade em executar os ataques contra os trabalhadores e reprimir a população. Boa parte da esquerda se esquece disso.

Cartas na mesa: burguesia revela seu plano para as eleições

Nesses últimos dias de campanha presidencial, estabeleceu-se uma espécie de consenso suprapartidário anti-bostanazi. Na convergência das mais diversas forças políticas, de Fernando Henrique Cardoso a Guilherme Boulos, todas as vozes parecem se erguer contra o “monstro”. Manchetes de jornais estrangeiros, porta vozes dos interesses do “mercado”, como The Economist, afirmam que o candidato de extrema-direita representa uma grande ameaça à América latina. Um movimento de mulheres contra bostanazi cresceu quase instantaneamente, de forma exponencial, e através das redes sociais, todo mundo passou a enxergar no candidato do PSL a “grande ameaça” à estabilidade política e social do país. De uma hora para outra, o grosseiro ex-capitão do exército, que convalesce no hospital de uma facada, surgiu como um perigo a ser debelado a todo custo. Movimentos como o “Ele-não”, impulsionados pela esquerda psolista e petista, roga-se evitar sequer pronunciar o nome do “Coiso”.

Mas algo de malicioso talvez se esconda por detrás de toda essa construção fantasmagórica de uma personagem hedionda, um “ser supremo em maldade”, de estupidez inomeável: a legitimação do voto no candidato da direita, e na verdade muito mais perigoso: Geraldo picolé de chuchu.

Antes de mais nada, é preciso estar ciente de que a direita não costuma expor suas intenções abertamente. Ela solta aqui e ali indícios, insinuações, para que o eleitor infira “por si mesmo”, como se fosse uma conclusão sua, aquilo que ela quer que ele pense. Aconteceu assim durante o golpe de estado que retirou Dilma do poder. O mesmo se passa com a campanha direitista contra bostanazi. Estão fazendo de B um espantalho, uma figura horrível, um facínora, a fim de se justificar qualquer voto contrário a ele.

A postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

 No.2169

File: 05ad53b0ba9ad2f⋯.png (213,73 KB, 1024x585, 1024:585, bolsonaro-economist-1024x6….png)

File: 5ce2c38bd967c8a⋯.jpg (16,11 KB, 287x300, 287:300, THE-ECONOMIST-287x300.jpg)

Esta é uma notícia anterior à essa, mas sobre o mesmo tema.

Contra bostanazi: declaração do The Economist aparece em todas as capas dos jornais burgueses

O periódico imperialista inglês The Economist, um dos principais porta vozes dos especuladores internacionais, dedicou a capa da edição desta semana à situação política brasileira, mais especificamente a atacar o candidato de extrema-direita Jair bostanazi. Toda imprensa capitalista nacional reverberou intensamente os alertas do periódico, que é um dos principais missionários do neoliberalismo no mundo.

Segundo a revista Britânica, que traz na capa, junto a foto do presidenciável, o seguinte título: “A mais recente ameaça da América Latina”, um possível governo de Jair bostanazi seria desastroso ao Brasil e a América Latina. O mote principal para a crítica é o afã ditatorial do candidato de extrema direita, a revista fala, mesmo, em avanço do “populismo”. bostanazi teria sabido manipular os sentimentos nacionais, com sua pregação direitista, diante da crise política, econômica e social prometendo uma salvação, quando na realidade é uma ameaça, que tende a aprofundar essa mesma crise.

Ainda que tenha uma orientação neoliberal para a política econômica, a eleição de bostanazi tem um forte apreço pela ditadura. Para o The Economist o povo brasileiro estaria tentado pela “saída Pinochet”, ditadura para impor o “livre-mercado”, o que os supostos defensores da democracia não podem aceitar.

Evidentemente, que não passa de cinismo, não se trata de defesa da democracia o que move o periódico imperialista a manifestar-se sobre as eleições nacionais. Basta lembrar que foram os mesmo liberais que apoiaram a ditadura de Pinochet, e não apoiaram como implementaram a política econômica que destruiu a economia chilena, isso sob o comando direto do apóstolo Milton Friedman e seus garotos. O próprio The Economist e diversos outros jornais imperialista, como New York Times e Washington Post, etc, saudaram entusiasticamente os resultados do experimento Chile. Além disso apoiaram ditaduras no mundo inteiro, cujo objetivo era abrir os mercados destes países, compararam goA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: dfa753c968d445d⋯.jpg (136,98 KB, 1024x585, 1024:585, bolsonaro_PnH3Gon-1024x642….jpg)

 No.2163[Responder]

Será que eles vão mesmo parar de fazer? HUE.

Sabotagem interna? bostanazi manda boiolão e economista pararem de fazer campanha

Logo após a facada dada em bostanazi, o general boiolão queimou a largada e praticamente deu um golpe na candidatura do capitão, assumindo a dianteira e pleiteando a participação nos debates eleitorais. A intervenção militar do general boiolão causou uma crise essa semana na campanha do candidato do PSL. O capitão fascista mandou, quebrando a hierarquia militar, o general parar de fazer campanha em seu lugar.

Ao mesmo tempo a imprensa imperialista internacional lançou um ataque contra bostanazi. A capa da revista The Economist dessa semana, ligada aos grandes bancos e aos monopólios empresarias que comandam a economia capitalista e organizaram o golpe no Brasil, apresentou o retrato de bostanazi e logo embaixo uma caracterização da candidatura da extrema-direita, como sendo desastrosa e uma ameaça para o Brasil e a América Latina.

A campanha impulsionada nas redes sociais, de caráter apartidário e com colaboração da esquerda-pequeno Burguesa, com a palavra de ordem “Ele não”, também evidencia a operação do imperialismo contra bostanazi para favorecer o seu candidato de preferência, Geraldo Alckimin. O que mostra a farsa da campanha é a participação de elementos da direita, inclusive de setores da extrema-direita contra bostanazi, como é o caso da apresentadora Rachel Scherazade.

Conforme se aproxima a data do primeiro turno, as manobras do imperialismo vão ficando cada vez mais claras no que diz respeito aos seus verdadeiros interesses políticos. Com a impugnação arbitrária da candidatura da principal liderança popular do país, o ex-presidente Lula, o imperialismo aprofunda a sua operação para garantir que o seu candidato vença as eleições.

 No.2168

File: 90d695e9202f51c⋯.jpg (118,45 KB, 1024x585, 1024:585, guedes-1024x827-1024x585.jpg)

Vish...

Crise na campanha de bostanazi: Paulo Guedes cancela eventos de campanha

O vice de bostanazi, o gereral da reserva Hamilton boiolão, e o economista Paulo Guedes, responsável pelo seu programa de governo, têm se revesado em dar declarações em eventos públicos, que expressam o caráter absolutamente reacionário, antipovo e golpista de sua candidatura.

Na realidade, nada mais natural, afinal toda a trupe de bostanazi, a começar pelo próprio candidato à presidente, são defensores da ditadura militar no país como a forma “mais fácil” para promover um ataque sem precedentes às condições de vida das massas e a completa subordinação do país ao imperialismo norte-americano.

Para os “verdadeiros donos do golpe”, o problema não está no conteúdo das declarações – até porque essa, também, é a sua política -, mas quando enxergam nelas uma via para aprofundar a manipulação eleitoral, derrotar o espantalho bostanazi das eleições e impor o seu verdadeiro candidato “limpinho e cheiroso”, o ex-governador de São Paulo, Geraldo picolé de chuchu.

É curioso. Quando não era do interesse dos golpistas, os meios de comunicação venais, tipo Globo, Estadão, Folha de São Paulo, secundarizaram ou justificaram todas as barbaridades declaradas, pela trupe fascista. Da defesa do golpe militar aos atentados à caravana de Lula pelo sul do país passando pelo assassinato da vereadora Marielle, os atentados ao acampamento Maria Letícia, aos inflamados discursos em defesa da tortura, do fuzilamento da Rocinha no Rio de Janeiro e dos “petralhas”.

De fato é curioso, mas não misterioso. A burguesia tinha como eixo central excluir o único candidato que é a expressão da luta contra o golpe no país. Bem sucedidos no seu intento, o próximo passo é o de esvaziar a candidatura da antítese de Lula e substituí-lo pelo seu verdadeiro candidato, o candidato do “bem contra o mal”.

Nesse momento, é díficil afirmar se boiolão e Paulo Guedes, são simplesmente espantalhos menores ou se estão a serviço dos “donos do golpe”para ajudarA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: 8266a556e17aeed⋯.jpg (81,73 KB, 1024x585, 1024:585, dilma-senado-Large-1024x68….jpg)

 No.2166[Responder]

Essa é para os reaciotários que acreditaram na conversa do impítiman de bunda ardendo:

Dilma era impopular? Presidenta eleita lidera isolada eleição em MG

Um dos argumentos usados pelo monopólio da imprensa burguesa para justificar o golpe que levou ao impeachment da presidenta, democraticamente eleita, Dilma Rousseff, seria uma suposta impopularidade. Como “embasamento”, mostravam imagens das manifestações realizadas por coxinhas, onde os direitistas levavam cartazes e faixas pedindo a saída da governante. Essas manifestações eram totalmente artificiais, convocada pela imprensa e por grupos criados com dinheiro do imperialismo.

Dilma, todavia, não era, e não é, impopular. Quando reeleita, a presidenta recebeu 54 milhões de votos. Após sua retirada, realizada pela direita, as mobilizações populares pela luta contra o golpe demonstraram isso. Atualmente ela concorre ao senado pelo Partido dos Trabalhadores, em Minas Gerais. A petista lidera as intenções de votos entre os mineiros. Na última pesquisa, realizada pela DataTempo, a candidata aparece em primeiro lugar, com 27,9% dos votos. Comparada com agosto, o crescimento foi de 1,1 ponto percentual.

Dilma foi retirada pelos golpistas e, atualmente, está no poder conde drácula, o presidente fantoche. O seu governo é, na verdade, controlado pelos militares, que ditam os rumos do país, atendendo aos interesses burgueses, que vão de oposto aos da classe trabalhadora. E não tem absolutamente nenhum apoio popular.

Assim como o golpe se expressou na retirada da presidenta democraticamente eleita, por 54 milhões de brasileiros, hoje se expressa na prisão política de Lula e em sua retirada das eleições. Ele, que é o maior líder de massas da América Latina, é o escolhido do povo para assumir a presidência. Todavia seu direito foi vetado e ele não apenas não pode concorrer, como sua figura também não pode ser utilizada nas propagandas eleitorais gratuitas, expostas nas emissoras de TV e rádio.

Nesse sentido lutar contra o golpe é fundamental. Todavia é importante ter a clareza de que a luta não deve ser naA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: 937e3c8d7efd5f9⋯.jpg (74,12 KB, 1024x585, 1024:585, ciro-e-alc-1024x1024-1024x….jpg)

 No.2164[Responder]

Vale sempre a pena recordar os erros do passado para não repetir os mesmos erros no presente.

Voto útil é parte da fraude eleitoral

As últimas pesquisas sinalizam claramente que a direita golpista que derrubou a presidenta Dilma Rousseff e condenou, sem provas, e mantém preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está preparando um novo golpe nas eleições, depois de ter cassado a candidatura do candidato que o povo queria na presidência, violando para isso a Constituição Federal, mais uma vez.

Trata-se da velha e conhecida tática do “voto útil”, que consiste em induzir, principalmente por meio da divulgação de pesquisas manipuladas, parte do eleitorado a votar em um candidato sem apoio popular real, para – supostamente – evitar a vitória de um candidato apresentado como o “mal maior”, ou até mesmo como a encarnação do capeta.

Esse truque já foi usado um sem número de vezes em eleições nacionais e regionais, nas últimas décadas. No final da ditadura militar, por exemplo, depois de derrotar a mobilização popular em favor das eleições diretas, a direita lançou a campanha que era preciso apoiar a eleição de Tancredo Neves e José Sarney, no Colégio Eleitoral, para impedir a vitória eleitoral de Paulo Maluf, do PDS, partido oficial da ditadura militar. O resultado é conhecido: a derrota de Maluf com o apoio de certos setores da esquerda, resultou concretamente no governo do ex-presidente do partido da ditadura, isso mesmo do PDS, José Sarney, dando sequência e aprofundando uma série de ataques do regime militar contra o povo brasileiro.

Em várias outras oportunidades, a tática do “voto útil” foi usada para dar a vitória a um candidato do grande capital, capacho do imperialismo e defensor da política “neoliberal” contra o povo, supostamente, para impedir a vitoria de um candidato conservador e direitista, mas que – de fato – representava um perigo menor para o povo. Foi assim, por exemplo, que o PSDB conquistou vários mandatos em São Paulo; lançando mão dessa tática para derrotar o PT. Em algumas oportunidades, inclusive, conquistando o apoio do partido ou de algumas alas de sua direção, em favor de verdA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: eca4bc638a0198f⋯.gif (391,64 KB, 615x300, 41:20, pesquisa-web-14-09.gif)

 No.2160[Responder]

Os bolsominions piram.

Also, todo o mundo sabe onde estão o resto dos 26%, os outros 74%: pelo menos a metade (37%) vota em Lula (que é censurado pela mídia e pela "justiça") e a outra metade (37%) são brancos e nulos.

Sem Lula a eleição é uma farsa.

Pela 1ª vez desde 1989, líder na pesquisa Datafolha tem menos de 30%

Faltando 19 dias para o primeiro turno das eleições, a última pesquisa Datafolha de intenção de votos para presidente, divulgada nesta sexta-feira (14), aponta que o cenário atual é um dos mais disputados desde a redemocratização do país.

O UOL analisou os levantamentos feitos pelo Datafolha faltando entre três e quatro semanas para o primeiro turno das últimas sete eleições. Este ano, a eleição será no dia 7 de outubro.

Pela primeira vez desde a eleição em 1989, a primeira pelo voto direto desde o fim da ditadura, o líder das pesquisas tem menos de 30% das intenções de votos. A última pesquisa Datafolha mostra o candidato Jair bostanazi (PSL) na liderança com 26%.

Em 1989, Collor tinha 26%. Naquele ano, as eleições foram realizadas em novembro e, portanto, a pesquisa considerada para a comparação foi a do mês de outubro.

Nunca um candidato que esteve no topo das pesquisas a menos de um mês da votação deixou de ser eleito.

Apesar das diferenças históricas, a relação entre o pleito deste ano e o de 1989 é a mais próxima, segundo o cientista político Rafael Cortez, doutor em ciência política pela USP (Universidade de São Paulo).

Entre as semelhanças, Cortez destaca a avaliação dos governos – do presidente conde drácula (MDB) agora e de José Sarney (MDB), em 1989.

"Essa é uma eleição com um governo mal avaliado e que, de alguma maneira, gera impacto no eleitorado. Não tem sentimento de continuidade, uma espécie de 'sarneyzação', ou seja, contamina negativamente campanhas aA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

 No.2161

File: 2a8037dc75199fa⋯.jpg (98,22 KB, 615x900, 41:60, grafico-um-mes-eleicoes-15….jpg)

(cont.)

Eleitores dos "nanicos" podem aderir ao voto útil

Além de ter três candidatos com mais de 10% da preferência da população, as eleições deste ano têm a forte participação dos chamados partidos nanicos.

Juntos, Álvaro Dias (Podemos - com 3%), João Amoêdo (Novo - com 3%), Guilherme Boulos (PSOL - com 1%), Cabo Daciolo (Patriota - com 1%) e Vera Lúcia (PSTU - com 1%), somam 9% das intenções de votos do eleitorado, sem falar da candidatura de Henrique Meirelles (MDB), que tem 3%.

"Talvez os eleitores dos chamados nanicos possam ser os que mais pratiquem o voto útil, vai depender do desempenho dos candidatos na última semana. Os que trafegam no eleitorado do PSDB, do Amoêdo, do Álvaro Dias e do Meirelles podem considerar que picolé de chuchu tem mais chances de evitar que o país vá parar nas mãos da extrema direita ou da esquerda, mas vai depender do desempenho na última semana", diz Paulino.

Rejeição pode decidir eleição

Apesar de liderar as pesquisas, a rejeição de bostanazi pode ser o principal obstáculo do capitão reformado do Exército em um eventual segundo turno. O candidato é o líder também em rejeição, com 44% na última amostra.

Embora apresentasse queda nas pesquisas perto da eleição, Collor, que acabou eleito em 1989, tinha rejeição de 29%.

"O segundo turno é uma contraposição entre rejeições, de voto estratégico, o chamado voto útil. O eleitor não tem mais a pluralidade de nomes. bostanazi contra PT teria uma rejeição alta. Essas são típicas falhas de coordenação eleitoral, por parte da elite política e do eleitorado, que não faz voto estratégico", diz o cientista Rafael Cortez.

A distribuição dos votos dos indecisos e a tentativa de redução da rejeição podem ser determinantes neste cenário de insatisfação e falta de esperança pro parte da população.

"A rejeição muitas vezes é mais trabA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.




File: 57a96306eab60ae⋯.jpg (115,13 KB, 1024x585, 1024:585, escola-1024x680-1024x585.jpg)

 No.2157[Responder]

Ei, você, foi lá na praça da sua cidade vestido de verde-amarelo pra servir de massa de manobra e pedir pra tirar a Dilma, o PT e os corruptos e pensando que iria ter mais saúde, educação e emprego? Toma essa, coxinha:

O corte de gastos dos golpistas vai destruir a educação

A política de austeridade institucionalizada no Brasil pelo governo golpista, seguindo os princípios econômicos do neoliberalismo, definidos por organizações imperialistas como o FMI; Banco Mundial, tem desde já causado profundo impacto negativo à vida social brasileira. A enorme taxa desemprego, a volta da miséria, o rebaixamento das condições de vida do brasileiro etc., já atestadas por estudos e pesquisas, podem ser colocadas na conta da chamada política de austeridade. Um de seus resultados é a destruição total de ensino básico público que se processa.

A principal política de austeridade que os golpistas impuseram ao país é a emenda 95, conhecida como PEC da morte, que congela os investimentos estatais por 20 anos. De todas as áreas da vida nacional profundamente afetadas por esta a monstruosidade, a educação, talvez, esteja na situação mais dramática.

Pouco mais da metade (52%) da população brasileira adulta, de 25 a 64 anos, não concluiu o ensino básico, ou seja, não terminou ou mesmo chegou a cursar o ensino médio. No ensino superior apenas 17% dos jovens entre 24 e 34 anos atingem o ensino superior. Os dados desalentadores constam em uma pesquisa divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Somando se a esses resultados as pesquisas que apontam que há no país cerca de 38 milhões de analfabetos funcionais dentre outros enormes problemas, pode-se concluir que para avançar na educação formal do povo será necessário enorme esforço e investimento.

A depender dos golpistas, não só não haverá nenhum esforço e investimento, como as parcas conquistas na área irão retroceder. O Plano Nacional de Educação, por exemplo, aprovado em 2014, cujo objetivo é de dar uma resposta, ainda que tímida, aos imensos problemas educacionais do país, e que determina diretrizes, metas e estratégias para a política edA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: 9a956f41be789a5⋯.jpg (51,35 KB, 1024x585, 1024:585, urna-eletronicasa-1-1024x5….jpg)

 No.2152[Responder]

Querer achar que essas eleições são normais e que o Brasil continua sendo democrático é fazer papel de trouxa, seriosamente.

Burguesia tenta explicar que não é possível haver fraude nas eleições

Da redação – Nessa terça-feira (18), a Folha de S. Paulo lança um podcast no programa “Eleição na Chapa”, veiculado pelo spotify, sobre a suposta “impossibilidade de fraudar as eleições”. A série de argumentos da imprensa burguesa objetiva, exatamente, encobrir a fraude aberta que são as eleições de 2018, cujo maior candidato foi impedido de concorrer.

Para isso, faz explicações difíceis e vazias sobre a suposta “impossibilidade técnica” de fraudar os dados das urnas eletrônicas, de fraudar sua criptografia e o algoritmo que associa os votos à contagem registrada para cada candidato. Esse argumento vazio, que acaba por se autocontrariar, desconsidera que as eleições são um evento político com muito mais fatores determinantes além da própria urna. O acesso à imprensa monopolizada pela burguesia golpista, a campanha da imprensa contrária ao ex-presidente Lula e ao PT, a perseguição judicial que levou à retirada de Lula do pleito e a série de ameaças de intervenção militar pelas Forças Armadas são todos fatores fundamentais para o entendimento que as eleições de 2018 não só já são fraudadas, como são um novo golpe sobre o povo brasileiro. As eleições desse ano estão sob jugo das Forças Armadas, que já tomaram o poder do Supremo Tribunal Federal e do Governo Federal, com figuras como o general Etchegoyen.

Falando sobre a acusação de Jair bostanazi para quem o Partido dos Trabalhadores, supostamente, estaria querendo fraudar a votação de 2018, o jornalista acabou se contradizendo e expressando no podcast a fragilidade técnica das urnas: se o ente político tiver poder o suficiente para agrupar todo o conjunto de técnicos responsáveis pela urna sob seus interesses, ele tem sim poder de fraudar as eleições. No caso do PT, já perseguido, é absurdo acreditar numa fraude a ele favorável. Contudo, pelo lado oposto, o mesmo governo que já persegue o Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula, tem nas mãos o controle de toda a máquina estatal responsável pela formação das urnas:A postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: a779d9fe83f427d⋯.jpg (23,35 KB, 530x298, 265:149, EUA-Wall-Street-Urso-e-Tou….jpg)

 No.2150[Responder]

Boletim da Crítica da Economia sobre a situação da economia mundial.

Temperatura Máxima Em Wall Street

por Fernando Grossman, da redação.

Depois de bater todos os recordes históricos, nos últimos nove anos, e não haver nenhum sinal evidente que esses recordes possam parar, ainda tem gente mais inteligente que os chamados homens do mercado e que aparece, de repente, para alertar a esses indivíduos práticos que as coisas da vida econômica não são tão simples quanto eles imaginam.

É o caso, por exemplo, de Robert Shiller – professor na Yale University e que, apesar de ser um ganhador do prêmio Nobel de Economia, é um economista inteligente. Em palestra nesta sexta-feira (14) em Nova York, disse para uma plateia de acelerados especuladores que vê “tempos ruins no mercado de ações” à frente. Uma sensação de que alguma coisa muito ruim está para acontecer brevemente.

Em entrevista à CNBC TV, em 22 de Agosto, ele já tinha afirmado que o nível exagerado da recente disparada touro do mercado indica que é hora de vender. O “mercado touro” pode reverter para o “mercado urso”. Uma nova correção no mercado de ações.

Na palestra de sexta-feira reforçou essa recomendação, explicando que os capitalistas (“investidores”) devem ignorar a recente explosão nos lucros das empresas estadunidenses e focar na valorização de longo-prazo, a qual, segundo ele, “carrega notícias muito ruins (foreboding news, no original) para o mercado de ações”.

Shiller é muito conhecido por uma série de formulações e teorias a respeito do mercado de ações. Mas seu grande prestígio se deve a um interessante indicador que ele formulou e utiliza para medir a valorização no mercado de ações.

Trata-se da Cyclically Adjusted Price to Earnings ratio [relação Preço/Lucro Ciclicamente Ajustada], um indicador correntemente conhecido como “Shiller CAPE” or “Shiller PE”.

Permite analisar a valorização das ações ao lonA postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.

Última edição em

 No.2151

File: 88ae557bc2556ba⋯.jpg (57,91 KB, 733x464, 733:464, EUA-SP-longo-prazo.jpg)

Algumas observações. No presente ciclo econômico, o mais longo rali da história fez com que o índice S&P 500 subisse mais de 335% desde a ressaca encerrada em Março de 2009. Essa desvairada trajetória de valorização mostra, ao mesmo tempo, o potencial de destruição de capital que certamente ocorrerá na nova correção que pode explodir nos próximos trimestres.

Compare-se o que está ocorrendo neste ciclo econômico com os dois anteriores. Em Maio de 2000, como destacado no gráfico, o S&P 500 já havia alcançado um fantástico pico recorde de valorização de 1420,60 pontos. Foi aquela coisa inaudita no pós-guerra que Alan Greenspan, presidente do Fed, na época, chamou de “exuberância irracional”.

Aquele índice de 2000 foi novamente igualado pelo pico do ciclo posterior, em Dezembro /2007, às vésperas da explosão da nova crise 2008/2009. É notável, portanto, que os dois picos daqueles dois ciclos econômicos correspondem (em 2000 e 2007) ao mesmo nível de valorização.

Em outras palavras: apesar da persistência da “exuberância irracional”, a massa de capital a ser queimada no último período de crise (2008/2009) continuava em condições politicamente administráveis. De um lado, pela política fiscal e monetária do Fed e do governo estadunidense; de outro, pelas ações geopolíticas e militaristas da máquina imperialista comandada pelos EUA (OTAN, União Europeia, Israel, etc.).

Mas agora, nesta segunda-feira (17 Setembro 2018) o índice S&P 500 alcançava 2888,80 pontos! Exatamente o dobro daqueles picos recordes dos dois ciclos anteriores. Mais do que irracional, uma exuberância altamente criativa de destruição de capital.

Primeira comprovação: existe agora uma nova e fantástica massa de capital acumulada nos últimos nove anos significativamente maior do que nos dois últimos ciclos periódicos anteriores. Pronta para ser incinerada.

É isso que permite afirmar que esse incêndio no coração do sistema – e a consequente falência de um número incalculável de bancos e empresas – será o maior de todos ocorridos nos últimos setenta anos do pós-guerra.

A postagem é longa demais. Clique aqui para visualizá-la na íntegra.



File: 791f4a28b223fb0⋯.jpg (229,77 KB, 1920x1080, 16:9, bostanazi 1.jpg)

File: 3ddbb218eeb4412⋯.jpg (58,53 KB, 848x480, 53:30, bostanazi 2.jpg)

 No.2063[Responder]

Bostavômito 2018!

(USUÁRIO BANIDO POR ESTA MENSAGEM)
2 postagens e 4 respostas com imagem omitidas. Clique em Responder para visualizar.

 No.2149

File: fe4c8bd1b9ec64c⋯.png (204 KB, 590x450, 59:45, postado por mav-bolsonaro ….png)

>>2132

A versão transparente ficou melhor ainda.




Excluir postagem [ ]
[]
[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12]
| Catálogo | Nerve Center | Cancer
[ / / / / / / / / / / / / / ] [ dir / 4am / ashleyj / baphomet / dempart / doomer / leftpol / mde / vtest ]